As concessões de crédito foram impactadas pela pandemia?

A crise econômica agravada pela pandemia, causou impacto nas concessões de crédito tanto para pessoa física quanto para pessoa jurídica. Entenda.

Publicidade
Publicidade

As concessões de crédito e a pandemia

renda dos trabalhadores

Em épocas de instabilidade econômica, houve impacto das concessões de crédito tanto para pessoa física quanto para pessoa jurídica. Mas os efeitos foram assimilados de maneira diferente nos dois segmentos.

De uma hora para outra tudo mudou. Bares fecharam as portas, as viagens foram adiadas e as aulas das crianças suspensas por tempo indeterminado.

A pandemia que parecia tão distante chegou ao Brasil. E o que era para durar apenas três meses se estende até os dias atuais.

Diante de uma mudança de cenário, o crédito também se comporta de uma maneira diferente. E foi justamente isso que a Consiga Mais+ analisou.

Publicidade

Quem é a Consiga Mais+?

A Consiga Mais+ apesar de ter uma história recente é uma das maiores fintechs do país. Ela começou as operações em novembro de 2018.

Publicidade

Por meio de parcerias com diversas empresas, oferece empréstimo para os funcionários de forma ágil, prática, inclusiva e sem burocracia.

E sabe o que é melhor? A taxa de juros é uma das menores do mercado.

Em outras palavras, ela democratiza o crédito para que as pessoas possam manter o foco no trabalho. Sem se preocupar com dívidas.

A empresa mantém também palestras e cursos sobre educação financeira. O objetivo é, portanto, fazer os clientes aprenderem a gerenciar o seu dinheiro.


Veja também:


Como a Consiga Mais+ vê as concessões de crédito para pessoa jurídica?

De acordo com dados da Consiga Mais+, o crédito rotativo para pessoa jurídica caiu 53% em relação à expectativa do segundo trimestre.

Acreditava-se que o setor iria movimentar R$ 40 bilhões de reais. Mas, segundo o Banco Central, o giro registrado foi de R$ 26 bilhões somente.

O crédito rotativo é uma linha de curto prazo que financia o capital de giro da empresa. Ou alguma necessidade emergencial de caixa.

Nas operações de longo prazo a queda foi mais branda: apenas 18%. Essa redução não leva em conta as ações efetuadas pelo governo para mitigar os efeitos da pandemia.

Em outras palavras, os dados não consideram empréstimos como o Pronampe. 

Esses dados representam uma queda de R$ 22 milhões de reais a menos do que era esperado para este trimestre. Seguindo a lógica da oferta e procura, os juros também caíram.

Com menos empresas tomando empréstimos eles se tornaram mais baratos. A taxa de juros média caiu de 1,10% ao mês no primeiro trimestre para 0,94% ao mês no segundo trimestre.

Além da queda da demanda, a baixa de juros também foi influenciada pelas linhas subsidiadas pelo governo.

“No consolidado, entre crédito de curto e longo prazo, o universo das empresas foi impactado em R$ 80 bilhões a menos em desembolso de crédito no trimestre de Abril a Junho”, explica Victor Loyola, CoCEO da Consiga Mais+.

Segundo Loyola, “Trata-se de uma demanda que não desaparece e permanece reprimida, à espera da recuperação econômica e da flexibilização do apetite de risco por parte das instituições financeiras”.

E como ficam as concessões de crédito para pessoa física?

O quadro para as pessoas físicas é parecido. Mas, de acordo com Loyola, carrega algumas peculiaridades.

Afinal, o crédito rotativo é muito mais relevante nesse segmento. Principalmente por conta do peso das compras à vista no cartão de crédito. Isso representa de 40% a 50% o total de novos desembolsos em um único mês.

Não estamos falando do crédito rotativo do cartão. Mas sim do limite que a pessoa tem disponível para comprar e depois pagar.

O que isso mostra? Uma queda no consumo, de 34% em relação ao que era esperado para o trimestre. Loyola vê o consumidor como mais cauteloso.

Até porque a Pandemia trouxe incertezas. E isso pode ser visto nas linhas de refinanciamentos que cresceram 41% sobre o usual.

Em linhas gerais, tanto no curto quanto no longo prazo, a concessão de crédito sofreu uma retração. Isso mostra que tanto empresas quanto as pessoas físicas estão mais cautelosas e com mais dificuldades.

Gostou deste artigo? Deixe o seu comentário, sua sugestão e compartilhe esta notícia com seus amigos nas redes sociais.