6 desafios para a economia brasileira em 2021

Crise econômica no Brasil: recorde no desemprego, inflação concentrada, crescimento na dívida pública, e nenhuma reforma importante aprovada. Saiba mais a seguir.

6 desafios para a economia brasileira em 2021

Economia Brasileira

A economia brasileira encontra-se em uma situação delicada. E para salvá-la muitos serão os desafios no ano que vem.

Em 2020, o Brasil teve recorde no desemprego, inflação concentrada, crescimento na dívida pública, e nenhuma reforma importante aprovada.

Tudo isso, coloca o país em uma situação delicada para o ano que vem. No entanto, nem tudo são más notícias.

A BBC News ouviu um time de especialistas, Daniel Duque (Ibre-FGV), Julia Passabom e Fernando Gonçalves (Itaú), Daniel Couri (IFI), Alessandra Ribeiro (Tendências Consultoria) e Christopher Garman (Eurasia).

Para eles, existem seis desafios que o Brasil vai precisar enfrentar em 2021. Quer saber quais são? Continue com a gente!

1 – Desemprego e fim do auxílio emergencial

O desemprego no Brasil chegou a 14,6% no terceiro trimestre de 2020, essa foi a maior taxa desde o início da série histórica em 2012.

Daniel Duque acredita que em 2021 haverá uma recuperação da população ocupada. No entanto, a taxa de desemprego também irá crescer na visão dele.

Isso porque, o índice não considera desempregado quem parou de procurar emprego há mais de seis meses. E no ano que vem, muita gente deverá voltar a procurar ocupação.

O especialista também acredita que com o fim do auxílio emergencial a pobreza extrema chegue a atingir de 10% a 15% a população logo em janeiro.

Como consequência, teremos uma perda da massa da renda muito alta, e como parte da poupança da classe média já foi gasta, o consumo deverá retrair.

2 – Inflação e taxa básica de juros

Nos últimos meses houve um aumento na pressão inflacionária, embora o IPCA deva fechar o ano dentro da meta.

Entretanto, a inflação concentrada nos alimentos acaba impactando o orçamento das camadas mais desfavorecidas da população. E para conter esse aumento, o Copom deverá elevar a taxa Selic.

Juliana Passabom, acredita que 2021 terá um cenário desconfortável, pois, a inflação na visão dela deverá chegar a 5,8% em maio. Conter a inflação é um dos desafios para o governo.


Veja também:


3 – Desequilíbrio nas contas públicas

Daniel Couri, enaltece que o cenário das contas públicas no Brasil já era desafiador antes da pandemia, e agora a situação piorou ainda mais.

O analista acredita que a dívida pública brasileira não deve explodir, mas também não deverá parar de crescer até 2030, o que preocupa.

Afinal, esse cenário aumenta a desconfiança dos investidores, o que torna mais difícil para o governo manter baixa a taxa de juros para se financiar.

Por isso, o governo terá um grande desafio pela frente para conseguir equilibrar as contas públicas por meio de um ajuste fiscal.

4 – Incerteza política para aprovação das reformas

Antes da pandemia, o atual governo chegou a apresentar uma estratégia para o reequilíbrio fiscal por meio de uma série de reformas.

No entanto, nada andou até o momento. Para Alessandra Ribeiro, apenas a PEC Emergencial deverá ser aprovada no médio prazo.

Portanto, essa dificuldade em aprovar as reformas mais importantes irá refletir nas contas públicas, colocando o país em uma situação fiscal ainda mais delicada.

5 – Aumento de casos e mortes na pandemia

Não bastasse os desafios econômicos e fiscais, o Brasil ainda está tendo que lidar com o aumento de casos e mortes na pandemia.

Isso pode afetar o país de duas maneiras, na visão de Alessandra Ribeiro. Uma delas é em relação à restrição na circulação de pessoas que pode ser adotado por alguns governos.

A outra é a própria cautela do consumidor e empresas que recuam o consumo e investimentos em um cenário de incertezas. E isso afeta a população mais vulnerável.

6 – Isolamento Internacional

Por fim, um outro grande problema está nas relações internacionais. Afinal, o Brasil vai entrar em 2021 com relações estremecidas com as principais potências mundiais.

Para Christopher Garman, a questão ambiental é o que deverá pesar ainda mais nessas relações, e se o Brasil não responder a isso, poderá se isolar ainda mais.

Além disso, a China está se esforçando para depender cada vez menos das exportações brasileiras, o que pode também comprometer o nosso balanço de pagamentos.

Em resumo, 2021 não será um ano fácil para a economia, afinal são vários os desafios que o governo vai precisar enfrentar. Gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos nas redes sociais.