G10 Bank promete ser o banco digital das favelas. Entenda!

Conheça o banco digital das favelas. Visando a inclusão social na economia, o G10 Bank oferece todos os benefícios de conta digital para comunidades carentes. Confira.

Publicidade

G10 Bank

G10 Bank

Um antigo projeto do coordenador nacional do G10 das favelas, Gilson Rodrigues, poderá sair do papel muito em breve. Trata-se do G10 Bank, o banco digital das favelas.

A proposta é aumentar a inclusão financeira nas comunidades pobres do país levando para eles todos os serviços de um banco digital, desde pagamento de boletos, depósitos, retiradas, cartão de crédito até empréstimos.

Para tirar a iniciativa do papel, a startup almeja um aporte de R$ 1,8 milhão de empresários interessados. Quer saber mais sobre essa iniciativa? Então continue mais três minutinhos por aqui.

O que é o G10 das favelas?

O G10 das favelas é um bloco de líderes e empreendedores de impacto social nas favelas que nasceu com a missão de ajudar no desenvolvimento econômico e no protagonismo das comunidades.

Publicidade

A proposta do G10 é inspirar o Brasil a olhar diferente para as favelas. Afinal, ali está uma grande parcela de consumidores e a intenção é tornar essas comunidades grandes pólos de negócios atrativos para investimentos.

Publicidade

Os coordenadores do projeto destacam que a ideia não é arrecadar doações e patrocínios, mas sim, investimentos que gerem retorno tanto para o investidor quanto para a própria comunidade.

O projeto está presente em 181 territórios por meio de lideranças locais. Dentre as iniciativas estão a ambulância privada 24 horas, centro de acolhimento, atuação jurídica e fortalecimento do comércio local.

E o que seria o G10 Bank?

O G10 Bank é uma ideia antiga do Gilson Rodrigues, coordenador do G10 nas favelas. Esse projeto deverá sair do papel daqui 4 à 6 meses. De cara serão oferecidos crédito e uma conta de pagamento.

Com o suporte da Focaccia, Amaral e Lamonica Advogados, a fintech está dando os primeiros passos para atuar como Sociedade de Crédito Direto (SCD), modelo no qual os empréstimos e financiamentos são feitos com capital próprio.

Rodrigues destaca que a instituição pretende ter um aporte de R$ 1,8 milhão dos empresários e famílias interessadas em investimentos de impacto. A proposta do G10 Bank é ser o banco digital oficial das favelas brasileiras.

Por isso, além da conta para pessoa física, a ideia é oferecer também conta de fomento aos comerciantes locais, ajudando a melhorar o giro deles, com mais consumo e alternativas de recebimento.


Veja também:


Como será a implementação do G10 Bank?

O projeto piloto será desenvolvido na comunidade de paraisópolis, zona sul da capital paulista. Posteriormente, o projeto pretende ganhar escalabilidade, fazendo parte de praticamente todas as comunidades do Brasil.

O G10 entende que as favelas possuem um enorme potencial sócio econômico. O que falta é fazer a integração da comunidade, levando para eles mais acesso à tecnologia, informação e inclusão financeira.

Além disso, o projeto também contempla, com o tempo, ampliar a educação financeira dentro das comunidades. O G10 Bank é apenas o primeiro passo de uma proposta bem mais ampla de educação financeira.

Ainda mais agora nesse momento de pandemia, onde as relações físicas estão tendo que ser substituídas pelas relações digitais. A vida está mudando, e nas comunidades isso também não tem como ser diferente.

A evolução dos bancos digitais no Brasil

Nos últimos anos observamos uma rápida evolução dos bancos digitais no Brasil, gerando mais acessibilidade aos serviços financeiros e por consequência mais inclusão de toda a população.

Afinal, os moradores das comunidades brasileiras praticamente não têm acesso aos bancos tradicionais. Por isso, a proposta do G10 é mudar isso, e criar a inclusão bancária dentro de todas as comunidades brasileiras.

E você, o que acha dessa novidade? Se gostou deste artigo não deixe de compartilhar com todos os seus amigos e parentes nas suas redes sociais.