O que é o Bitcoin? Entenda como funciona a moeda virtual



Anúncios



Publicidade

O Bitcoin atualmente é a criptomoeda mais conhecida do mundo. Mas você sabe ao certo como funciona a tecnologia por trás dela?

Foi no ano de 2009 que Satoshi Nakamoto desenvolveu o conceito de criptomoeda. Na ocasião, o Bitcoin foi visto com certa desconfiança por muita gente, inclusive por investidores.

No entanto, no ano de 2017, o preço dessa moeda digital disparou. E em janeiro deste ano, após o surto de coronavírus, o seu preço subiu novamente pelo fato dos investidores preferirem uma aplicação mais segura diante da instabilidade mundial.

Mas afinal, o que é o Bitcoin?

Bitcoin é uma moeda digital que não existe fisicamente. Sendo assim, ela está presente apenas no ambiente digital. Uma das suas principais características é a descentralização.



Publicidade

Em outras palavras, para validar sua existência não é necessário nenhuma aprovação governamental e nem autorização de bancos centrais. Além disso, por ser descentralizada ela não sofre interferência com inflação, câmbio e outros problemas macroeconômicos.



Anúncios

No entanto, por não possuir lastro físico, o que determina a sua cotação é a lei da oferta e procura. Justamente por essa razão que seu preço disparou há 3 anos atrás. Um outro aspecto é que o total de bitcoins disponível é de 21 milhões.

Esse valor, no entanto, será atingido somente no ano de 2140 onde as minerações irão acabar. Explico. Existe uma rede por trás do Bitcoin chamada de tecnologia Blockchain. Sendo assim, essa rede possui diversos computadores sendo que cada qual se conecta entre si.

Quando um computador consegue entrar na rede, após milhões de cálculos matemáticos, o seu proprietário recebe uma recompensa, hoje estimada em 12,5 bitcoins. A cada 10 minutos é criado um novo bloco, ou seja, uma nova mineração aconteceu, um novo computador entrou na rede e 12,5 bitcoins foram criados.

A cada 210 mil blocos a recompensa dos mineradores cai pela metade. Isso quer dizer que a criptomoeda vai se tornando mais escassa e consequentemente mais valiosa. Esse processo é chamado de halving do Bitcoin e deve acontecer pela segunda vez após sua criação em maio deste ano.

E como é feito uma transação da criptomoeda?

É possível transacionar bitcoins através de uma plataforma que funcione, digamos, como uma casa de câmbio. Além disso será necessário ter uma carteira digital.

Toda a transação de compra e venda fica registrada no Blockchain. No entanto, como o registro é feito por meio de um número e não pelo nome do usuário, as transações acabam acontecendo de forma anônima.

O armazenamento da criptomoeda pode acontecer tanto online quanto offline. Contudo, nesta última opção, apesar de ser um pouco mais segura contra os criminosos cibernéticos, caso o computador seja roubado ou danificado, você perderá definitivamente todos os bitcoins.

É possível comprar fragmentos do Bitcoin, chamados de satoshis. Dessa forma, cada Bitcoin tem 100 milhões de satoshis. Cada site que vende esses fragmentos têm regras próprias sobre como ir juntando-os depois.


Veja também:


É seguro investir em Bitcoin?

Por se tratar de uma tecnologia descentralizada, ele é considerado bastante seguro. Ainda mais que invadir a rede Blockchain é praticamente impossível.

Contudo, se os Bitcoins ou satoshis estiverem guardados em um computador offline, e o mesmo for deletado, ele será perdido definitivamente. Então, esse é um risco que se corre, e por essa razão é preferível guardá-los em carteiras digitais online.

Há quem diga que as criptomoedas serão os meios de pagamentos do futuro e também há quem diga que elas nunca substituirão as moedas criadas pelos bancos centrais. E você o que acha?

Deixe o seu comentário, sua sugestão e compartilhe essa notícia nas redes sociais.