A brasileira Sity quer bater o UBER e a 99, confira!

Conheça o novo aplicativo de corridas, o Sity. Que pretende cobrar uma taxa de 20% de cada corrida dos motoristas, melhor que os concorrentes Uber e 99. Confira.

Publicidade
Publicidade

A brasileira Sity quer bater o UBER e a 99

sity

É bem possível que você ainda não tenha ouvido falar no aplicativo de transporte Sity Inc. Mas, guarde bem esse nome, pois os objetivos da empresa são bem agressivos.

Fundado em 2017 por Fernando Ângelo, o aplicativo passou três anos em desenvolvimentos e testes. Somente neste ano é que a empresa começou o projeto-piloto nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro.

No começo do mês de agosto o aplicativo estava presente em apenas 12 cidades, e agora, um mês depois ele já está chegando a 104 cidades de todos os estados brasileiros.

Fernando Ângelo chegou a afirmar que a empresa pretende ser o Nubank dos aplicativos. Até porque todo mundo duvidava que o Nubank conseguiria disputar mercado com o Bradesco, Itaú e Santander.

Publicidade

O ousado projeto da Sity

O projeto da Sity não é nada simples, aliás é bastante ousado. Pois, o Nubank para chegar onde chegou atraiu investimentos de grandes fundos. 

Publicidade

Já a Sity por enquanto sofreu apenas um aporte de R$ 8 milhões, dinheiro composto pelo seu fundador e por um pequeno grupo de empreendedores.

Fora isso a empresa ainda terá que brigar de igual para igual com o Uber e 99, que além de operarem no prejuízo, contam com estruturas robustas e investimento de peso.

Para se ter uma ideia, a Uber é uma empresa de capital aberto, que é cotada na Bolsa de Nova York por aproximadamente R$ 56,6 bilhões.

Portanto, já dá para imaginar o que a Sity irá enfrentar pela frente. Mas, para Fernando Ângelo, o diferencial da empresa será um serviço melhor aos motoristas e consumidores.


Veja também:


Os diferenciais da empresa de Fernando Ângelo

O Sity pretende cobrar uma taxa de 20% de cada corrida dos motoristas. Esse valor é menor do que o dos rivais. 

Fora isso, o aplicativo não terá tarifa dinâmica que é cobrada pelo Uber e 99 quando há um aumento na demanda em algumas determinadas regiões.

A empresa também diz que o valor cobrado ao consumidor final será menor. Além disso, Fernando Ângelo garante que seu aplicativo é mais seguro que os rivais.

Isso porque é exigido um cadastro com mais dados dos usuários e também foto de perfil. E para os motoristas não haverá penalizações caso não aceitem uma corrida, como acontece hoje no Uber e 99.

Até o momento a empresa está comunicando a chegada em alguns municípios e para isso está recrutando motoristas através de uma central remota.

A companhia tem um centro físico de atendimento ao motorista em São Paulo e em breve irá inaugurar outro centro no Rio de Janeiro.

O crescimento da Sity poderá ser rápido

De acordo com o Sity, em agosto a empresa já atingiu 46 mil motoristas cadastrados, sendo que a meta é chegar em 50 mil até setembro.

Além disso, o app já possui 130 mil clientes ativos e está presente em 104 cidades que contam com os serviços do aplicativo brasileiro.

Os números ainda são modestos perto dos rivais, mas o Sity possui uma tática para fazer esses números crescerem.

Recentemente ela findou uma parceria com o Banco Pan que lançou uma conta digital em fevereiro de 2020. Dessa forma, o motorista que abrir uma conta na instituição financeira fica isento por três meses da taxa cobrada a cada corrida.

A dificuldade em conquistar os clientes

Quem conhece o mercado de aplicativos sabe que não é difícil conquistar motoristas. Afinal, eles procuram se cadastrar em diversos aplicativos.

Além disso, muitos também estão descontentes com o Uber e o 99. Todavia, a grande dificuldade que o aplicativo vai enfrentar é em conseguir passageiros.

Para emplacar nesse mercado é preciso investir muito em propaganda, além de oferecer subsídios para os consumidores experimentarem o aplicativo.

E quando falamos em subsídio, estamos falando em dinheiro, e aí vem uma questão: até onde o Sity terá força para entrar nessa disputa?

Para isso, Fernando Ângelo diz que está negociando aportes com investidores, mas não chega a fornecer detalhes sobre esse investimento.

Contudo, ele quer conquistar 80 mil motoristas e 2 milhões de clientes até o final deste ano. E você, o que acha disso? Deixe o seu comentário e compartilhe esta notícia com seus amigos nas redes sociais.