América Latina já conta com pelo menos 23 unicórnios!

Com um crescimento exponencial das fintechs e startups, a América Latina já conta com ao menos 23 unicórnios que são empresas que já ultrapassaram o limite de avaliação de US$ 1 bilhão.

Unicórnios

unicornios

De acordo com um relatório divulgado pela plataforma Crunchbase, a América Latina possui ao menos 23 startups que já ultrapassaram o limite de avaliação de US$ 1 bilhão, sendo elas consideradas unicórnios.

Só para ter uma ideia, juntas essas empresas levantaram em 2021 mais de US$ 15 bilhões para alavancar os seus negócios que vão desde fintechs até alimentos. É preciso destacar que grande parte dos investimentos aconteceu este ano.

Afinal, foi quando 15 empresas fizeram rodadas de financiamento. Dentre os maiores aportes recebidos estão o Nubank que levantou US$ 750 milhões e as plataformas de delivery de comida Rappi e iFood, sendo que cada uma captou US$ 500 milhões.

CARTÃO PAGBANK
CARTÃO DA CONTA DIGITAL

CARTÃO PAGBANK

SEM ANUIDADE
 
FÁCIL ACEITAÇÃO
Um cartão de crédito repleto de benefícios!
Você permanecerá no site atual

Crescimento rápido das fintechs brasileiras

O crescimento das fintechs brasileiras foi bastante agressivo nos últimos anos. Só no ano passado o segmento representou 40% de todo capital de risco investido na região segundo a Associação para Investimentos de Capital Privado na América Latina (LAVCA).

Para se ter uma base, ⅔ dos unicórnios da América Latina estão no Brasil. Além do Nubank, neste ano também ocorreu grandes rodadas de investimentos para o Banco Neon, plataforma de empréstimos Creditas e a EBANX, todas sediadas no Brasil.

No entanto, o maior negócio de fintech registrado na América Latina não foi feito em uma rodada de investimentos tradicional. Ela aconteceu no final de junho quando o JP Morgan pagou US$ 2,3 bilhões por uma participação de 40% no C6 Bank.

Para quem não sabe, o C6 Bank é um dos maiores bancos digitais brasileiros que apesar de ter apenas 2 anos de existência já conta com mais de 7 milhões de clientes e figura entre as principais fintechs do país.


Veja também:


Abertura do capital

Além das tradicionais rodadas de negócios, a Bolsa de Valores também tem sido bastante receptiva a startups da América Latina. Só para ilustrar, a dLocal, fornecedora de processamento de pagamentos transfronteiras do Uruguai, fez um IPO na Nasdaq no começo de junho, e hoje já está avaliada em aproximadamente US$ 14 bilhões.

Uma outra organização que também abriu capital na Bolsa de Valores recentemente é a VTEX, uma empresa que gerencia o comércio digital de grandes varejistas. Com o IPO a companhia chegou a uma avaliação de US$ 4,5 bilhões.

Essas duas startups estão trilhando o mesmo caminho percorrido por outras organizações como o Mercado Livre que abriu o capital em 2007 na Bolsa de Valores. Inclusive, a empresa viu o valor das suas ações multiplicar em quase 5 vezes nos últimos 3 anos.

Só para ter uma ideia, o Mercado Livre já chegou a captar mais de US$ 80 bilhões no mercado e hoje é um dos maiores marketplaces do mundo. Um dos fatores que impulsionou o seu crescimento foi a expansão rápida do e-commerce na América Latina após a chegada da pandemia de Covid-19.

Fintechs devem crescer ainda mais

Dentro desse cenário, as fintechs deverão crescer ainda mais nos próximos anos. Até porque, o Open Finance que está sendo implementado no Brasil vai proporcionar um ambiente mais favorável para a atuação dessas empresas de tecnologia financeira.

Podemos dizer que estamos vivenciando apenas o começo de uma transformação financeira que colocará fim às agências bancárias e até mesmo ao papel-moeda, mudando totalmente a nossa relação com o dinheiro.

Portanto, novas soluções de pagamentos, recebimentos, acesso ao crédito, organização financeira, dentre outros, deverão surgir nos próximos anos, facilitando ainda mais a nossa vida. Interessante, não é mesmo?

Se você gostou deste artigo não deixe de compartilhar com todos os seus amigos e parentes nas suas redes sociais e nos ajude a disseminar o conhecimento.