Como a terapia financeira pode mudar a sua relação com o dinheiro? Entenda!

Com o objetivo de identificar a causa que desencadeia o desequilíbrio financeiro, a terapia financeira surge para mudar algumas emoções que são responsáveis pelo endividamento de grande parte da população.

Publicidade
Publicidade

Terapia financeira

terapia financeira

Esse pode parecer um tema controverso, afinal você deve estar se perguntando, como a terapia pode ajudar as minhas finanças pessoais? A verdade é que ela ajuda muito mais do que você imagina.

Para se ter uma ideia, de acordo com um levantamento feito no ano de 2019, pela plataforma de experiência do funcionário Perk Box, 61% dos 1.139 entrevistados disseram que o dinheiro causa a eles mais estresse do que seu trabalho e sua família.

Nesse sentido, Brendan Bruchell, professor de Ciências Sociais da Universidade de Cambridge chegou a afirmar que a fobia financeira é um fenômeno real, embora não haja muitas pesquisas específicas sobre o tema.

CARTÃO NEON
CARTÃO DE CRÉDITO

CARTÃO NEON

SEM ANUIDADE
 
FÁCIL ACEITAÇÃO
Cartão de crédito Visa, sem custo e lindo
Você permanecerá no site atual

Como a terapia financeira pode ajudar isso?

A terapia financeira é um ramo particularmente novo, sendo ele restrito em algumas localidades dos Estados Unidos. No Brasil, ainda há poucos estudos e avanços no tema, mas a verdade é que ela pode mudar a sua vida.

Publicidade

Dessa forma, apesar de ainda ter muito a aprender sobre o que a terapia financeira pode fazer para mudar a sua vida, a verdade é que os benefícios potenciais são grandes. No entanto, é preciso entender que o tema é muito amplo.

Publicidade

Sendo assim, Brendan Bruchell acredita que a ideia de encontrar uma solução simples por meio de um pequeno número de sessões não vai funcionar. Ele destaca que ainda não estamos em um estágio avançado para saber como nossas finanças e emoções estão relacionadas.

E, por mais interessante que seja a ideia, ela não é fácil de abraçar. Até porque, muitas pessoas possuem uma grande dificuldade de se abrir sinceramente sobre o assunto. Além disso, a especialização nessa área ainda é quase nula.


Veja também:


Grande parte dos problemas financeiros são relacionados às emoções

Embora a perda de renda seja um dos fatores que pode levar muitas pessoas a passarem aperto, a verdade é que grande parte dos problemas financeiros estão relacionados às emoções que cada pessoa carrega.

E quando falamos em emoções não estamos somente falando em ansiedade por gastar, mas também outros sentimentos que fazem as pessoas gastarem mais do que podem. A vaidade, o status, o orgulho podem justificar um aperto financeiro.

Por exemplo, dentro da sociedade atual, uma pessoa pode acreditar que ter um carro melhor lhe dá a sensação de aceitação social no meio em que vive. No entanto, para ter esse carro, essa determinada pessoa acaba entrando em uma dívida de longo prazo.

Se no decorrer desse tempo ela perder a sua renda, poderá se ver em desespero. Quando isso é levado para outras necessidades como ter uma roupa de marca, uma casa em uma área nobre, aí os problemas podem atingir níveis alarmantes.

Terapia financeira precisa atacar a causa e não o efeito

Por conta desse emaranhado de emoções, a terapia financeira precisa atacar a causa e não o efeito. Isso quer dizer que é preciso descobrir quais são as emoções que desencadeiam o desequilíbrio financeiro de uma pessoa.

Ao conseguir identificar essas emoções, é preciso todo um trabalho psicológico profissional para mudá-las. Note que estamos falando de uma mudança profunda no comportamento humano, o que nem sempre é fácil e rápido. No entanto, ele é eficaz.

Ou seja, ao conseguir mudar esses sentimentos que desencadeiam o desequilíbrio financeiro, a situação tende a se normalizar, diferente de dar soluções mágicas sobre administração financeira que não surtirão o mesmo efeito.

Portanto, está aí um novo campo do conhecimento humano para ser explorado. Gostou deste artigo? Então não deixe de compartilhar com todos os seus amigos e parentes nas suas redes sociais e nos ajude a disseminar o conhecimento.