Privatização dos Correios: especialistas explicam possíveis impactos econômicos

A privatização dos Correios é um dos assuntos mais comentados do momento. Afinal, os especialistas se dividem se ela trará benefícios para o país, e quais serão os impactos que a medida terá sobre os municípios menores.

Publicidade
Publicidade

Privatização dos Correios

Privatização dos Correios

No último dia 05 de agosto o Projeto de Lei 591/21 que prevê a privatização da Empresa de Correios e Telégrafos (ECT) foi aprovado pela Câmara dos Deputados após anos de discussão no setor político sobre o futuro da estatal.

Agora o projeto segue para votação no Senado Federal. A privatização da estatal ganhou força no atual governo, uma vez que os Correios apresentaram prejuízo de R$ 3,943 bilhões entre os meses de 2013 a 2016.

No entanto, apesar de colaborar para o ajuste das contas públicas a privatização possui os seus prós e contras, conforme aponta a opinião de alguns especialistas da área. Quer saber mais sobre a privatização dos Correios? Vem com a gente!

CARTÃO SANTANDER SX
CARTÃO DE CRÉDITO

CARTÃO SANTANDER SX

SEM ANUIDADE
 
RECOMPENSAS
Cartão de crédito com limite mínimo de R$ 250!
Você permanecerá no site atual

A privatização dos Correios é boa?

Leila Pellegrino, professora de economia do Centro de Ciências e Tecnologia (CCT) na Universidade Presbiteriana Mackenzie (UPM) Campinas, acredita que os principais afetados pela privatização serão os próprios funcionários da estatal, assim como as empresas que usam o serviço para fazer a ponte entre a mercadoria e o cliente.

Publicidade

Mauro Schluter, também do Centro de Ciências e Tecnologia (CCT) da Mackenzie, acredita que além dos funcionários e das empresas que fazem essa ponte, haverá um impacto negativo sobre as cidades pequenas que terão um aumento substancial da tarifa.

Publicidade

“Como os Correios se tratam de uma estatal, o próprio governo estabelece uma tarifa bastante atrativa para envio de correspondência até para lugares onde não tem uma demanda de bens. Entretanto, a atividade econômica acaba sendo prejudicada em locais como, Amazônia, cerrado, caatinga, cuja densidade demográfica não propicia uma atividade econômica viável para geração de bens”, comenta o especialista.

Ele explica que nesses casos haverá um encarecimento do serviço, mas faz um contraponto dizendo que a eficiência da empresa que assumirá os Correios pode gerar uma diminuição das tarifas nos eixos de maior população como nas capitais.


Veja também:


Privatização poderá não trazer tantos benefícios

De acordo com Leila Pellegrino, a privatização trará pouco benefício tanto para o poder público que receberá o valor da empresa quanto para a população em geral. Afinal, grande parte será afetada se a mudança não vier acompanhada de um controle de tarifas.

“Isso pode prejudicar a atividade produtiva e a população, então teremos impactos negativos indiretos sobre a atividade econômica e sobre os resultados do governo”, afirma a professora. 

Já na visão de Mauro Schluter a privatização poderá sim trazer benefícios, uma vez que os Correios se tornaram bastante ineficazes nos últimos tempos por conta da excessiva interferência política que existe dentro da estatal.

Qual será o futuro dos correios em caso de privatização?

Schluter não acredita que a privatização dos Correios será igual a Eletrobrás, quando colocaram uma grande rede de energia elétrica no centro do país. Sendo assim, ele acha que poderá existir diversas possibilidades.

Uma delas é a união de empresas para fazer a administração dos Correios. Uma outra possibilidade é a estatal ser adquirida pela AliExpress e uma outra probabilidade um pouco mais utópica é a internacionalização da empresa.

A DHL é um grande operador logístico mundial pertencente aos Correios alemães. Aqui no Brasil também poderia existir uma empresa logística de âmbito internacional, mas nós sabemos que a política não busca eficiência e sim apadrinhamento de pessoas e recursos”, finaliza o especialista.

Portanto, caberá ao governo pensar em medidas para que a privatização realmente traga os benefícios desejados, como a livre concorrência fazendo baixar o preço das tarifas. No entanto, é preciso pensar em como obrigar essas empresas a atuarem nos municípios que não são lucrativos sem um aumento abusivo nas tarifas.

Gostou deste artigo? Então não deixe de compartilhar com todos os seus amigos e parentes nas suas redes sociais e nos ajude a disseminar o conhecimento.