Vale a pena pagar a anuidade de um cartão de crédito?



Anúncios



Publicidade


Sempre sonhou com um cartão de crédito Black ou Platinum? Em salas de aeroporto exclusivas? Programas agressivos de milhas? E em clubes de vantagens VIP?


Pois é, tudo isso tem um custo.


Se você gosta de viajar ou tem um padrão de vida elevado — pagar por um cartão de crédito pode compensar. 


Aqui no Cash Free, costumamos falar sobre serviços gratuitos e sem anuidade. Mas e se anuidade fizesse sentido para o seu estilo de vida e oferecesse benefícios legais. Você pagaria? Por isso, criamos este conteúdo para que você saiba quando vale a pena.



Publicidade

Vamos nessa?



Anúncios

O que pagar por um cartão de crédito pode fazer por você?

Os cartões de crédito de categoria superior cobram anuidade, mas garantem vantagens e não são emitidos para qualquer um.


Esses cartões exigem renda mais alta, e alguns só trabalham com convites. Mas mesmo que você não seja um executivo ou uma executiva de uma grande multinacional, é possível ter um Black ou Platinum. 


  • A variação de anuidade destes cartões é de R$ 700 a R$ 1.200.

Principais cartões no Brasil:


  • American Express (Amex);
  • Diners;
  • Santander;
  • Itaú;
  • Banco do Brasil;
  • Caixa;
  • Porto Seguro;
  • Companhia aéreas: Latam e Gol.

Se você for um correntista abastado, pode ser que nem pague a anuidade. 

Benefícios dos Cartões Black e Platinum (e alguns Gold)

  • Pontos para trocar por milhas

Cartões de Crédito Black e Platinum acumulam MUITOS pontos. Estes benefícios costumam ser trocados por passagens e com equivalência pensada em dólares, 2 para cada USD. 


Alguns cartões têm pontos que não expiram. 


  • Salas VIPs

Aeroportos do Brasil e do mundo têm salas VIP exclusivas para quem tem cartões premium. Com um cartão desses, você espera com mais conforto, pode comer, beber e até mesmo utilizar de serviços de SPA. 


Alguns cartões oferecem o serviço gratuitamente, outros cobram taxas em dólares. Há serviços como o LoungeKey e LoungePass que trazem planos de acesso anuais… É importante verificar antes de entrar na sala 😉


  • Seguro Saúde 

Pagando as passagens com o seu cartão, alguns bancos e operadoras oferecem gratuitamente o seguro saúde. Esse pode ser um requisito obrigatório antes de entrar em alguns países e remediar inconveniências, como perda ou extravio de bagagem.


Problemas de saúde mais graves não podem contar apenas com o seguro convencional do cartão. Leia e imprima a apólice, na dúvida.


Outro ponto relevante é de que em muitos países é obrigatória a contratação do seguro saúde para ter seu visto e viagem concedidos.


Apesar das vantagens, em viagens longas, é melhor ir além do seguro do cartão, que cobre apenas de 30 a 60 dias de cobertura. 


Se você for praticar algum esporte radical ou tiver um problema grave de saúde, os seguros dos cartões não servem. Procure um seguro específico e conte sobre a aventura que pretende fazer. Gestantes também devem ficar atentas ao contrato.


A qualidade dos cartões variam, assim, o seguro segue a mesma regra. Melhor o cartão, mais completo o seguro.


  • Seguro para aluguel de carros

Ao pagar um seguro com os cartões Black e Platinum pode ganhar o seguro gratuitamente. Mas fique atento(a), caso opte pelo serviço de outra forma, o seguro para de valer.

Que tipo de cartão escolher?

Os cartões sem anuidade não contam com esse tipo de luxo.Caso você seja uma pessoa que viaje e utilize seguros, pode ser um legal contar com um desses cartões.


A partir de uma renda mensal de R$ 5 mil, você já pode fazer sua solicitação.


O perfil de gastos também deve ser relevante, para que você realmente consiga conquistar as milhas e pontos antes que expirem.


Na ponta do lápis

Para fazer a conta, você deve entender o quanto gasta e o que conseguiria centralizando todas as suas contas no cartão de crédito. Depois, você precisa entender o quanto da sua renda é reduzida com a anuidade e o valor de milhas que irá conseguir.


Analisar o custo de oportunidade da venda das milhas em site especializados — um ponto ainda nebuloso — também pode ajudar você a tomar essa decisão.


Se em um ano o valor das milhas for maior do que a anuidade, pode ser muito legal fazer o cartão!


Ah, se você viaja frequentemente, é importante verificar também upgrades de classe e acúmulo de milhas que um cartão premium pode conquistar. Por exemplo, se você gasta bastante no aeroporto, pode deduzir isto da anuidade de um cartão que te dá acesso a uma sala em que você pode comer e beber à vontade.


Se essa conta não faz sentido para você, pesquise mais sobre opções que não cobram anuidade, mas ainda contam com programas de fidelidade e benefícios da bandeira:


• Nubank

• Santander Free

• Digio

• BMG

Qualidade do atendimento e contrato

Confira também o site, avaliações no ReclameAqui e contrato dos cartões que te interessam antes de fazer a adesão. Pode parecer complexo, mas vai te poupar de muita dor de cabeça no futuro 🙂


Preste atenção na validade dos benefícios. Se você demora muito para acumular milhas, elas podem vencer sem você ter utilizado.


Transferência de pontos e limitação quanto ao acúmulo de milhas são pontos que você também deve prestar atenção ao considerar a emissão de um cartão de alto padrão.


Aproveite para fazer uma combinação vantajosa entre o emissor do cartão e a bandeira. No programa Vai de Visa, por exemplo, você ganha horas de internet, dinheiro de volta em compras nos EUA.


No Mastercard Surpreenda, jantares de graça em restaurantes de alto padrão, e por aí vai.

Veredito do Cash Free

Não vamos negar, os benefícios indiretos de um cartão de perfil alto podem ser sedutores. Salas especiais, seguros e até mesmo o jeito que você pode ser tratado(a) em estabelecimentos por ter um cartão VIP podem ser diferentes.


O que recomendamos é que você não tome essa decisão apenas baseado no ego, mas em como pode aproveitar os benefícios destes cartões.


Pesquise, compare e escolha o que é bom para você. 


Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!


Continue acompanhando os artigos do Cash Free e estude suas decisões econômicas.