Cadastro Positivo vai liberar consultas

Publicidade
Publicidade

O Cadastro Positivo foi criado com o intuito de democratizar o acesso ao crédito no Brasil. E nessa semana ele será liberado para consultas.

Começa neste sábado (11) as consultas de informação no cadastro positivo. Esse é um sistema que foi criado por meio da Lei 12.414/11, todavia foi no ano passado que ele passou por modificações significativas.

Uma das principais mudanças foi na lógica do cadastro. Até então, era preciso optar por fazer parte dele. Agora, a inserção é automática, e quem não deseja fazer parte do cadastro positivo tem que optar por sair dele.

Entendendo melhor o cadastro positivo

Por conta dessa alteração, espera-se que o crédito se torne mais acessível, e com o tempo também mais barato e democrático.

Publicidade

Pois, as empresas ofertantes terão um parâmetro maior do histórico do cliente. Em virtude de tais mudanças, o governo determinou um prazo para que os quatro birôs de crédito – Serasa Experian, SPC Brasil, Boa Vista e Quod – disponibilizassem tais informações.

Publicidade

Inicialmente estará disponível para consulta somente dados e notas de quem foi contactado pelos birôs sobre a abertura do seu cadastro. Isso já vem acontecendo há alguns meses através de cartas e SMS.

As notas dos consumidores podem variar de um birô para outro. Sendo assim, para consultar o score em todos é preciso criar uma conta em cada uma dessas plataformas e consultá-las individualmente. Lembrando que Boa Vista, Serasa e SPC possuem aplicativos para celular.

Essa mudança trará uma maior modernização no sistema financeiro, e com isso deixará o mercado de crédito muito mais democrático. Sendo assim, estima-se que 45 milhões de brasileiros serão incluídos financeiramente no país.

Como é o funcionamento do cadastro positivo

O cadastro irá reunir todo o histórico de crédito do consumidor, incluindo financiamentos, cartões de crédito, empréstimos bancários, crediários no comércio, entre outros.

Por meio da ativação do cadastro positivo o governo acredita que sejam feitos análises mais profundas para a concessão de crédito. Isso quer dizer que o crédito passará a ser mais democrático dentro do país.

De acordo com a Associação Nacional dos Bureaus de Crédito (ANBC), o cadastro é como se fosse uma segunda camada de acesso à informação de consumidores. Com isso, comerciantes e prestadores de serviços também podem avaliar o risco da concessão do crédito.

As empresas terão acesso, no entanto, somente à pontuação do crédito. O histórico detalhado somente será possível acessar com a autorização do consumidor. Ah, e a consulta será inteiramente gratuita.

Está gostando deste artigo? Então leia também – FunBank – Novo Banco Digital é sucesso para quem gosta de balada!

Mudanças necessárias para o funcionamento do cadastro

Para que o cadastro positivo pudesse entrar em funcionamento foi necessário mudar a Lei do sigilo bancário. Sendo assim, ficou mais claro que o fornecimento de dados financeiros e de pagamentos relativos a operações de crédito não configura quebra de sigilo.

Afinal, saldo bancário, informações salariais, aposentadorias e outros dados pessoais não fazem parte do cadastro que pontuará cada cliente de acordo com a rotina de pagamentos financeiros.

As notas irão de 0 a 1000. Sendo que quanto maior, melhor. O peso de cada variável do score é definido com base no estudo do comportamento histórico de vários indivíduos identificado com características financeiras iguais.

Acredita-se que com essas informações positivas ficará mais fácil as empresas saberem se a inadimplência é pontual no histórico de crédito do consumidor, o que dará menos peso para essa informação na análise de risco.

Só para ter uma base, países que adotaram o cadastro positivo reduziram em até 45% o número de inadimplência no país de acordo com a International Finance Corporation (IFC).

Na medida em que o cadastro for se popularizando, os birôs acreditam que haverá mais transparência nas relações entre credor e consumidor. Isso também proporcionará queda de juros o que acabará empoderando os consumidores da classe de renda mais baixa.

Consumidores que não desejam participar do cadastro positivo precisam fazer a solicitação por meio dos canais de atendimento de algum dos birôs participantes solicitando sua retirada. E você o que acha dessa mudança? Deixe o seu comentário e compartilhe essa notícia!