7 de setembro: saiba quais são os vilões da energia na sua casa

No dia 07 de setembro deste ano, poucos são os motivos que levam os brasileiros a comemorar, visto que além da alta taxa de desemprego, estamos atravessando uma das piores crises hídricas da história.

Publicidade
Publicidade

Energia mais cara

Vilões da energia

Hoje, no dia 07 de setembro, o Brasil não tem muitos motivos para comemorar. Afinal, estamos atravessando uma das piores crises hídricas dos últimos 91 anos, e como consequência a conta de energia elétrica ficou mais cara.

Em junho deste ano o governo já havia corrigido a tarifa da bandeira vermelha 2 para R$ 9,49, e agora a Aneel criou uma nova bandeira tarifária acima dela que cobrará o valor de R$ 14,20 a cada 100 kWh. O que era ruim, ficou ainda pior.

Dessa forma, alguns eletrodomésticos podem virar um verdadeiro vilão do orçamento, uma vez que geladeira, chuveiro, aquecedor e ar-condicionado costumam puxar o consumo de luz lá para cima. Quer saber mais? Vem com a gente.

CARTÃO BANCO INTER
CARTÃO DE CRÉDITO

CARTÃO BANCO INTER

SEM ANUIDADE
 
CASHBACK
Cartão de crédito ou débito, internacional com custo ZERO
Você permanecerá no site atual

País vive a pior crise hídrica dos últimos 91 anos

O Brasil está atravessando uma das suas maiores crises hídricas. Por isso, algumas medidas estão sendo adotadas pelo governo para evitar um apagão no país. Uma delas, conforme antecipamos, foi a criação de mais uma bandeira tarifária.

Publicidade

Dessa forma, a conta de energia vai ficar mais cara nos próximos meses, exigindo um esforço de toda a população para conseguir reduzir o preço da conta de energia. Nesse sentido, alguns eletrodomésticos tornam-se verdadeiros vilões.

Publicidade

Por exemplo, a geladeira de duas portas é o aparelho que mais consome energia elétrica, pois precisa ficar ligada 24 horas por dia. Em média ela consome 55,00 kWh/mês. O cálculo considera o uso ininterrupto do eletrodoméstico no período. Esse consumo foi calculado pelo Idec (Instituto de Defesa do Consumidor) e pelo Insper (Instituto de Ensino e Pesquisa), a pedido da CNN Brasil Business.

Uma geladeira mais simples que possui uma única porta e não conta com a tecnologia frost-free gasta em média 30,00 kWh por mês, o que gera uma redução significativa no valor da conta de força no final do mês.

Vale ressaltar que qualquer pessoa pode calcular o consumo de energia. Basta checar a potência do aparelho que é dada pelo fabricante nos manuais e embalagens do produto e depois multiplicar pelo tempo de funcionamento em horas.


Veja também:


Uso consciente dos aparelhos eletrônicos

Para que a conta de energia não se torne um verdadeiro vilão do orçamento é preciso racionar o uso de diversos aparelhos eletrônicos. Portanto, mesmo em aparelhos com baixo nível de consumo é preciso ter um cuidado redobrado.

Afinal, estamos em um período de consumo consciente, mas o brasileiro deverá se adaptar facilmente a ele. Isso acontece porque grande parte da energia gerada no país vem das hidrelétricas e estamos diante de uma grande crise hídrica.

Vale destacar que o governo poderia ter se antecipado à crise, criando medidas preventivas como estímulos à eficiência energética e investimentos em outras fontes de energia como eólica e solar que poderiam ajudar a poupar água dos reservatórios.

No entanto, talvez por negligência, agora quem pagará o pato seremos os consumidores finais que inevitavelmente vamos precisar economizar todos os dias pensando na melhor maneira de usar os eletrodomésticos em casa.

Aumento na tarifa para evitar apagão

A criação da nova bandeira tarifária pela Aneel que entrou em vigor no dia 1º de setembro de 2021 e deverá se estender até o dia 30 de abril de 2022 prevê um valor da taxa extra de R$ 14,20 pelo consumo de 100 kWh.

De acordo com o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, a população deverá fazer um esforço inadiável reduzindo o consumo de chuveiros elétricos e ferro de passar, por exemplo. Vale destacar que mesmo com a redução no consumo as contas podem ficar mais caras.

Esse empenho será necessário para evitar o risco de racionamento que hoje é considerado zero por Albuquerque. Por isso, ele disse que o governo está tentando mostrar a gravidade da situação hídrica para que de forma voluntária todos consumidores poupem energia.

Gostou deste artigo? Então não deixe de compartilhar com todos os seus amigos e parentes nas suas redes sociais e nos ajude a disseminar o conhecimento.