Caixa eletrônico: entenda por que ele vai revolucionar o mercado financeiro



Anúncios



Publicidade

O Caixa eletrônico sempre foi uma boa alternativa às filas no banco, já que ele torna o serviço muito mais simples, barato e acessível. Não é novidade que os bancos tradicionais já utilizavam esta tecnologia, entretanto, na chamada revolução 4.0 eles irão, junto as fintechs revolucionar o mercado financeiro.

As fintechs estão trazendo muita inovação ao serviço bancário brasileiro, com baixas tarifas e anuidade zero, elas vêm conquistando clientes e alcançando mercado. Mas, também tem encontrado um grande entrave, a falta de estrutura que dificulta os saques bancários para os clientes. Recentemente, o Banco Central, demostrou preocupação com isto, veja a seguir mais informações.

Revolução do caixa eletrônico

A facilidade do caixa eletrônico vai ao encontro das inovações dos bancos digitais, mas o problema é que existem poucos caixas interbancários e as startups financeiras não dispõe de estrutura física.

Além disto, o custo dos caixas interbancários é alto, e se o banco não absorver este custo, ele fica em torno de R$ 6,50 a R$ 7,90 por saque, para o consumidor final. O valor cobrado atualmente, faz com que muitos não possam usufruir das comodidades e baixas taxas dos bancos digitais.



Publicidade

Uma solução é fazer um TED para um banco tradicional e sacar, mas esta ainda não é uma solução que torne o sistema das fintechs realmente sustentável. Tendo em vista esta situação, o Bacen pertente interferir nisto. Veja mais a seguir.



Anúncios

Banco Central quer facilitar para as fintechs o acesso aos serviços de caixa eletrônico.

A TecBan é controlada pelos 5 maiores bancos do Brasil: CEF, BB, Itaú, Santander e Bradesco, todos tradicionais. Interessante dizer que o Saque 24 horas é gerenciado pela TecBan, o que põe os bancos digitais em visível desvantagem, já que utilizam da estrutura bancária de outros bancos por não possuírem a própria.

Por isto, que o Banco Central lançou uma consulta pública com regras para garantir maior acesso ao caixa eletrônico. A consulta vai ficar aberta até dia 14/01/20 e tem o objetivo de criar regras de controle; a iniciativa veio por que bancos pequenos ou digitais vem se queixando das barreiras impostas por grandes bancos.

No que o Bacen quer interferir

Um dos objetivos do Bacen é fazer com que os bancos tradicionais não cobrem dos clientes da fintech tarifas maiores do que cobrariam dos próprios clientes. Segundo o presidente do Banco Central, o Brasil é um dos países com mais caixas bancários por habitante, mas com transações por caixa, abaixo da média.

Isto realmente demonstra uma realidade de baixíssima cooperação interbancária, já que cada caixa eletrônico tem poucas transações por atender apenas um banco, ou alguns poucos – os maiores.

Veja também

Conclusão

Enfim, neste artigo você viu como o caixa eletrônico e as fintechs podem revolucionar o mercado bancário brasileiro, mas vimos também que os bancos tradicionais estão tentando criar barreiras.

Por fim, falamos sobre a consulta pública que o Banco Central está promovendo e que pode trazer mais acesso aos caixas eletrônicos por parte da fintechs e seus clientes.

Gostou das informações? Comente conosco sua opinião e compartilhe com seus amigos as novidades! 🙂