Empréstimos entre pessoas físicas pode ser uma boa opção. Saiba mais!

Atualmente, é possível fazer empréstimos entre pessoas físicas com juros bem menores do que os praticados pelo banco. Veja mais informações a seguir.

Publicidade
Publicidade

Empréstimos entre pessoas físicas

Super Sim

Você sabia que é possível fazer empréstimos entre pessoas físicas com juros bem menores do que os praticados pelo banco?

Essa modalidade que vem ganhando cada dia mais espaço foi regulamentada pelo Banco Central no ano de 2018. 

O principal objetivo é conectar pessoas que precisam de dinheiro à pessoas que possuem recursos financeiros para emprestar.

A vantagem é que os juros para quem recebe o empréstimo são maiores enquanto que os juros para quem paga são menores que os praticados pelo banco.

Publicidade

Isso acontece porque nesse caso não há o spread bancário. Então para quem precisa de um dinheiro nessa época, essa pode ser uma excelente opção.

Publicidade

Como funciona os empréstimos entre pessoas físicas?

Atualmente existem no mercado cinco empresas que estão autorizadas pelo Banco Central para atuar como Sociedade de empréstimo entre pessoas (SEPs).

Também existem mais 5 pedidos em análise. Nesse mercado há fintechs que oferecem crédito para pequenas empresas, outras para pessoas físicas e também há aquelas que oferecem para os dois.

É importante deixar claro que há uma certa segurança nas plataformas, pois elas fazem uma análise do perfil do interessado e só deixam entrar os bons pagadores.

Após a entrada, há uma classificação da pessoa ou empresa que deseja tomar o crédito, que vai de A a E. Quanto melhor conceituado o tomador de empréstimo, melhores serão os juros que ele irá pagar.

Essa alternativa deverá crescer nos próximos anos. Ela é interessante pois aumenta a concorrência no mercado, dando mais opções para o tomador de crédito e o investidor.


Veja também:


É importante saber analisar e diversificar os investimentos

Apesar de ser uma boa opção para investidores é preciso tomar alguns cuidados. Afinal, apesar das plataformas fazerem uma análise de crédito, o risco é todo do investidor.

E por estarmos atravessando uma época de incertezas e crise, é bem provável que a inadimplência também irá aumentar.

Por isso, os especialistas advertem para evitar empréstimos altos e se possível diversificar a carteira de investimentos, para minimizar o risco.

Um outro cuidado que é necessário é fazer esse tipo de operação somente através das SEPs, pois nesse caso há legitimidade na operação e em caso de inadimplência é possível recorrer à justiça.

Além de empréstimos entre pessoas físicas foram criados créditos emergenciais

Fora os empréstimos entre pessoas físicas, algumas fintechs criaram linhas especiais para esse momento de crise de coronavírus.

Para se ter uma ideia, a Mova, criou uma linha de empréstimos com juros de 1,22% e 1,99% ao mês. E o que é melhor: os clientes que não conseguirem pagar as três primeiras parcelas, podem liquidá-las no final do contrato.

E para minimizar o risco do investidor a fintech montou um sistema que agrupa centenas de créditos em um mesmo investimento. 

A Mutual, uma outra fintech, criou uma linha para ajudar os trabalhadores autônomos e os microempreendedores individuais (MEIs). O valor dos empréstimos é de até R$ 1.000,00 e tem até 90 dias para começar a pagar.

Para fazer a solicitação, é preciso fazer um cadastro no site e solicitar o crédito, lembrando que a taxa de juros mensais é de apenas 1%.

Os investidores que investirem nessa modalidade receberão um selo especial na plataforma, para mostrar sua solidariedade. Interessante né?

Outras iniciativas que estão sendo desenvolvidas

Além dos créditos a juros mais baixos há também outras iniciativas sendo desenvolvidas por outras plataformas.

A Nexoos criou uma estrutura gratuita para permitir que que empresas que não estão conseguindo crédito possam criar um site próprio e começar a anunciar e vender os seus produtos e serviços pela internet.

Com isso, as empresas terão mais liquidez, o que futuramente facilitará o acesso ao crédito. O único custo disso é, portanto, um percentual sobre o produto que foi vendido. As vendas são feitas diretamente na plataforma e podem ser pagas via boleto bancário.

Assim que o boleto for aprovado, o valor é depositado na conta da empresa, o que demora cerca de dois dias úteis. Dentre as principais fintechs que oferecem empréstimos estão:

Cada uma dessas fintechs possui, contudo, suas próprias regras tanto para o cadastro de tomadores quanto de investidores. Vale a pena conferir.

Gostou deste artigo? Deixe o seu comentário, sua sugestão e compartilhe essa notícia com seus amigos nas redes sociais.