A mudança do comércio. O que esperar do pós-pandemia?

Com estabelecimentos físicos de portas fechadas, empresários tiveram que migrar o formato do seu negócio para o mundo digital. Como fica o mercado pós-pandemia?



Anúncios



Publicidade

O que esperar do comércio pós-pandemia?

a mudança do comércio

Essa reflexão certamente não foi feita só por filósofos neste ano de 2020.

Comerciantes, economistas e a própria sociedade civil se questionaram sobre o futuro do comércio após um ano atípico em nossas vidas.

A tecnologia, assim como o crescimento das vendas online, não vem de agora. No entanto, com a imposição do isolamento social, o que era uma tendência tornou-se realidade.

Com estabelecimentos físicos de portas fechadas, empresários tiveram que correr para mudar o formato do seu negócio.



Publicidade

E fica agora uma pergunta no ar: como será daqui para frente?



Anúncios

O Comércio físico vai acabar?

Para responder essa pergunta vamos voltar um pouco no tempo.

Em 2007 um grupo de empresários, donos de vídeo locadoras, procurou o Sebrae-SP, pois estavam enfrentando dificuldades.

Na ocasião, o grande problema era a pirataria de DVD que estava tirando faturamento do negócio.

No entanto, aquilo era apenas um aviso. Afinal, era evidente que algum site poderia começar a fazer o papel de uma videolocadora.

Ainda não existia Smartphone. Mas o e-commerce já vinha dando os seus primeiros passos.

Não demorou muito para o surgimento do Netflix e a queda de todo o setor.

Assim como as videolocadoras acabaram, grande parte do comércio físico também vai dizer adeus.

Claro que isso não será de uma hora para outra. Alguns segmentos desaparecerão antes. Outros depois.


Veja também:


Quais segmentos estão com os dias contados?

O próximo segmento que irá apagar as luzes será o das livrarias. O setor já vem acumulando prejuízos.

A nova geração hoje lê tudo pela internet. Arrisco ir ainda mais além, e dizer que no futuro não teremos mais papel.

A própria didática de ensino será amparada com recursos tecnológicos. Desde cedo as crianças já vão aprender a manusear aparelhos eletrônicos.

Portanto, livraria e papelaria irão desaparecer das ruas. Mas, por outro lado, ganharão força na internet.

A sociedade vai consumir cada vez mais conteúdos. E-books, blogs, portais de notícias receberão um volume cada vez maior de pessoas.

O empresário precisa estar atento nisso. Caso contrário verá o seu negócio ruir.

E o Shopping Center, como fica com a mudança do comércio?

O Shopping Center é mais do que um comércio.

Muita gente vai lá para interagir, passear, bater papo. Portanto é um formato que deve até mesmo crescer.

A Riachuelo, há alguns anos, fechou todas as suas lojas na rua. E manteve somente as lojas em shopping. A rede já estava se atentando para o futuro.

Dessa forma, as grandes lojas deverão adotar o modelo de lojas em shopping e também apostar mais em aplicativos de vendas.

E o setor de bares e restaurantes?

Os donos de bares e restaurantes foram duramente atingidos na pandemia.

Contudo, esse é um setor amplo e peculiar. Os empresários irão apostar mais no delivery. Com aplicativos cada vez melhores.

Porém, as pessoas vão sair depois da pandemia. A interação social vai ser estabelecida. E os bares e restaurantes têm um importante papel nisso.

O que muda para o setor são as medidas de higiene e distanciamento, que deverão ser seguidas.

E os demais segmentos, o que esperar dessa mudança do comércio?

Essa pergunta pode ser respondida com o exemplo da Rihappy e da Magalu.

Ambas mudaram o formato de negócio. A Magalu está investindo pesado no seu Marketplace. Inclusive ampliando os centros de distribuição.

A Rihappy está com 80 pequenas distribuidoras espalhadas pelo Brasil para atender os pedidos feitos pelo App. Antes da pandemia eram 11.

Ou seja, essa é a tendência. As vendas online de roupas, acessórios, brinquedos, eletrônicos vão crescer.

Portanto, o comerciante terá que se reinventar. Apostar nos canais digitais é questão de sobrevivência para eles.

Inclusive para os bancos. E por isso, Santander, Bradesco e outros bancos tradicionais já estão investindo pesado na sua digitalização.

E você o que acha disso? Se gostou, compartilhe este artigo com seus amigos nas redes sociais.