Auxílio emergencial é prorrogado em mais duas parcelas

O auxílio emergencial será prorrogado pelo governo federal por mais dois meses. Mas mas com um valor menor por parcela. Entenda a seguir.

Auxílio emergencial é prorrogado

auxílio emergencial

O auxílio emergencial deverá mesmo ser prorrogado em mais duas parcelas. A confirmação foi feita pelo presidente da República Jair Bolsonaro.

Muito se falava nos últimos dias sobre a necessidade desta prorrogação. No entanto, o valor das parcelas deverá ser menor do que os atuais R$ 600.

De acordo com Jair Bolsonaro, após a reunião que participou pela manhã no conselho do governo, no Palácio do Alvorada:

“A ideia da equipe econômica, e minha também, é de duas parcelas de R$ 300. Tem parlamentar que quer R$ 600. Se tirar dos salários dos parlamentares, tudo bem, por mim eu pago até R$ 1.000”.

A declaração foi acatada pela Câmara dos Deputados, e o então presidente da casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse estar disposto a diminuir o salário e que o exemplo precisa ser dado pelos três poderes.

Auxílio emergencial é um dos benefícios mais caros ao governo

Embora seja um benefício válido, inclusive um esboço sobre o programa de renda mínima tão debatido há décadas, o auxílio emergencial é um benefício caro ao governo federal.

Para manter o programa atual o desembolso mensal é de aproximadamente R$ 50 bilhões. Portanto, ainda é um programa que não cabe no teto dos gastos, sendo que o espaço fiscal do governo federal é pequeno para isso.

Portanto, ao propor a manutenção do valor de R$ 600, o congresso deveria indicar como encaixar esse valor no orçamento. Já, uma redução para R$ 300 faria com que o custo mensal caísse para aproximadamente R$ 25 bilhões mensais.

Segundo Bolsonaro “Não podemos deixar esse pessoal sem emprego e sem auxílio. Agora, auxílio tem limite”, e ainda acrescentou “Não tem possibilidade de a nossa dívida continuar crescendo dessa maneira”.


Veja também:


Guedes já havia dado sinais que iria prorrogar o benefício

Antes da declaração presidencial, o ministro da Economia, Paulo Guedes, já havia antecipado que o governo federal iria prorrogar o auxílio emergencial em mais duas parcelas de R$ 300.

Entretanto, para haver essa redução será preciso mexer na lei, pois ela prevê o pagamento no valor de R$ 600. Portanto, deverá ser votada em sentido de urgência tanto na Câmara quanto no Senado.

A Caixa Federal ainda está terminando de realizar o pagamento da segunda parcela do auxílio emergencial. Acredita-se que a divulgação do calendário para o pagamento da terceira parcela aconteça ainda nesta semana.

É bem provável, que já na próxima semana seja definido e colocado em votação a prorrogação do auxílio emergencial.

Este benefício é destinado para profissionais informais, autônomos e MEIs para ajudá-los na crise ocasionada pela pandemia de coronavírus.

Gostou do artigo? Deixe o seu comentário, sua sugestão e compartilhe esta notícia com seus amigos nas redes sociais.