Superdigital cria assistente virtual para facilitar a vida dos clientes

Publicidade
Publicidade

Com mais de um milhão de contas ativas a Superdigital não para de inovar. Agora os clientes terão um assistente virtual que funciona até por SMS.

No ano de 2016 o Santander, vislumbrando o mercado digital, adquiriu a ContaSuper em duas etapas, pagando, desse modo, 31 milhões na primeira e 119 milhões na segunda etapa.

Hoje, a fintech que é voltada para as classes C e D leva o nome de Superdigital. Ela é voltada para clientes que não possuíam contas bancárias, sendo essa uma das principais ambições do Santander.

CARTÃO SUPERDIGITAL
CARTÃO DE CRÉDITO

CARTÃO SUPERDIGITAL

NEGATIVADO
 
FÁCIL ACEITAÇÃO
O cartão perfeito para quem tem o nome sujo e deseja reorganizar suas finanças
Você permanecerá no site atual

Superdigital agora terá um assistente virtual

Com uma proposta ambiciosa de chegar aos 60 milhões de clientes, a Superdigital avançou recentemente na oferta de recursos tecnológicos, criando a Gigi, uma assistente digital.

Publicidade

O nome foi inspirado na própria fintech, e a Gigi funciona como qualquer outro assistente virtual para smartphone. Ela pode, portanto, realizar diversas atividades para os clientes que vão desde o desbloqueio do cartão até consulta de saldos.

Publicidade

Além disso, o banco atentou-se para o fato de diversos clientes não possuírem um plano de dados de internet móvel ativo no celular. Dessa forma, ele tornou a Gigi compatível com comandos enviados por meio de SMS.

Contudo, ela também pode ser usada pela internet no aplicativo da Fintech. O serviço está disponível 24 horas por dia para tirar dúvidas dos clientes e atender as demandas que forem surgindo.


Veja também:


As ambições do Santander não param por aí

O Santander anunciou que pretende chegar a marca de 60 milhões de contas ativas. Esse valor é baseado na quantidade de brasileiros que não possuem conta em banco.

Felipe Castiglia, presidente da Superdigital, deu uma entrevista recentemente para a revista EXAME, onde esclareceu que a fintech atinge os públicos C e D.

Dentre outras informações, Castiglia disse que os principais gastos dos clientes da fintech são corrida de Uber, entregas de comida no aplicativo Ifood e assinaturas de serviço streaming como o Netflix.

“Temos muitos clientes trabalhando no ramo da construção civil ou no campo. A Superdigital é uma plataforma de inclusão financeira que tem como objetivo trazer as pessoas que não têm acesso a uma conta bancária para dentro do mercado financeiro.

O cliente recebe um cartão Mastercard internacional quando ativa conta e ele pode ser usado como um cartão pré-pago em lojas físicas, mas também tem um recurso de cartão virtual, que viabiliza o uso em compras on-line. Só não dá para parcelar compras”, contou Castiglia em entrevista para a revista EXAME.

A Superdigital trabalha para atrair os desbancarizados

A Superdigital, vem trabalhando incansavelmente para conquistar os clientes desbancarizados. Todavia, essa grande fatia de mercado é vislumbrada por outras fintechs também como PicPay, Nubank, Mercado Pago, entre outras.

Com a concorrência crescendo drasticamente entre as fintechs, os bancos tradicionais estudam novas maneiras de competir pela população que não tem contas em banco.

Dessa forma, eles passaram também a adquirir fintechs ou criar as suas próprias startups. O Itaú recentemente criou a Iti, o Bradesco tem o banco digital Next e o Banco do Brasil possui uma parceria com a fintech Bom pra Crédito.

Esse aumento da oferta certamente irá colaborar para que o consumidor final tenha melhores serviços a preços mais acessíveis. Gostou deste artigo? Deixe o seu comentário e compartilhe essa notícia nas redes sociais.